EDIÇÃO - Ano VI

Noite de reencontro com herança brasileira, em Bom Jesus do Tocantins(PA)

O cinema iluminou Bom Jesus do Tocantins na noite deste sábado (15/09)! Emoção e autorreconhecimento marcaram a primeira sessão do Circuito Nacional de Exibição Revelando os Brasis VI no Pará. A Guerreira Gavião, de Robson Messias, abordou o drama do rapto de crianças. Mas, principalmente, resgatou traços da identidade brasileira ao mostrar o jeito de ser e de viver das irmãs e irmãos indígenas. Cerca de 400 pessoas lotaram a Praça Jader Barbalho, no centro do município.

Durante o dia, a equipe de produção fortaleceu a mobilização junto com o diretor. Uma das agendas foi uma entrevista na Rádio Bom Jesus FM 104,9. A montagem da estrutura de exibição ao ar livre sempre chama a atenção da comunidade que se organiza e movimenta toda a família para ver de perto o cinema na tela grande. Quando chegou a hora, estava todo mundo ali, principalmente, a garotada que fica bem à vontade no tapete. Mas quem conta os detalhes deste momento é o diretor, Robson Messias:

“Assim… você fica na expectativa! Fica ansioso e com a hora da exibição chegando, fica mais nervoso ainda. Mas sabendo que tudo vai dar certo porque foi feito com carinho e com amor. E as pessoas começaram a chegar, foram se achegando, enquanto iam passando as animações. Todo mundo boquiaberto com todo aquele cenário armado de grande cinema ao ar livre. Logo as cadeiras estavam lotadas. Algumas pessoas chegavam e ficavam em pé. Muitas ansiosas, perguntando se tinha passado o filme da cidade. Foi o momento em que fomos convidados a se apresentar. Levamos o nosso elenco e agradecemos por tudo e a todos. E na hora da exibição, quando entrou o filme, recebemos aplausos. E quando terminou o filme, tinha gente chorando, tinha gente sorrindo, tinha gente aplaudindo. Daí a grande emoção de saber que o resultado foi maravilhoso. Não tem igual. Foi uma sensação de êxtase. Só tenho a agradecer a todos vocês pela oportunidade”.

Muitos aplausos, agradecimentos, abraços e fotos do público com o diretor e a equipe ao final da sessão. O filme é um registro deste pedaço do país onde acontece um processo de resistência indígena contra o isolamento e o apagamento da herança social e cultural brasileira. Para o diretor, a obra também é uma contribuição para a ligação entre os diferentes brasis.

“O projeto deu uma grande oportunidade de conhecimento para todos. Através deste curta, as pessoas vão ter uma noção sobre como vive este povo brasileiro, esta nação indígena no seu habitat. A gente teve esta preocupação de mostrar a cultura, o modo de pensar, os jogos, as brincadeiras. E o povo que vai assistir saberá que é a pura realidade. Os atores indígenas não encenaram, viveram o que vivem no dia-a-dia. Pra mim é importante saber que muitas pessoas que não conhecem de perto uma aldeia e a cultura indígena terão este momento através da tela.”

A programação continua hoje com a segunda sessão de lançamento do filme “A Guerreira Gavião”. Desta vez, a exibição acontecerá, às 19 horas, na Aldeia Parketêjê, onde as cenas mais emocionantes do filme foram gravadas, contando com a participação do elenco local. O Revelando os Brasis VI tem patrocínio da Petrobras e a realização do Instituto Marlin Azul.

Boa sessão!

Fotos: Ratão Diniz

 
  1. facebook
  2. instagram
  3. youtube